sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Pequenas coisas que nos fazem felizes...

A vida é tão complicada as vezes, problemas repentinos que surgem e nos pegam de surpresa, problemas com as quais lidamos por tanto tempo e temos que driblá-los. Nunca estamos satisfeitos, sempre queremos mais.
Nossa vida, em grande parte, é uma busca constante. Busca por um grande amor, por uma oportunidade profissional, por um lugar ao sol. Além de desejos corriqueiros, tais como "aquela bolsa linda", "aquele corte de cabelo" ou ainda "aquela viagem pra não sei onde". Enquanto isso, o tempo passa diante de nossos olhos e não percebemos. Vivemos tão preocupados com nossos desejos, nossas procuras e não observamos o sol brilhando de manhã, mal sentimos o cheiro de terra molhada quando chove, sequer prestamos atenção ao canto de um pássaro ou simplesmente a mais um dia de vida ao lado das pessoas que nos são queridas, importantes.
Gostamos de alguém, dos pais, dos filhos, de amigos e não dizemos. Aquele abraço apertado, beijo ou sorriso acaba ficando pro dia seguinte porque estamos apressados, porque perdemos a hora. Tomar um bom café da manhã sentados à mesa numa conversa informal já não acontece, cada um toma um gole de café em horários diferentes e sai pra luta. Porém, o tempo é implacável e leva nossos dias pouco a pouco. Não falo de envelhecer, pois isso faz parte da vida, indica mais conhecimento, mais maturidade e também é bom. Eu falo sobre desperdício, sobre deixar de dizer um "como eu gosto de você", deixar de dar um passeio na beira do mar ou onde for, continuar deixando aquele abraço apertado e beijo pra amanhã. Não assistir ao filme que se quer ou ler o livro pretendido porque o dia tem só 24 horas...
As pequenas coisas que nos fazem felizes são fundamentais, são elas que nos dão forças pra enfrentarmos situações difíceis ou de mudança brusca. São elas que nos fazem sentir bem, fortes e felizes. Prontos para o que der e vier.
Bom pensar nisso!

Sandra

sábado, 21 de novembro de 2009

Amor de verdade...

Como é bom sentir paz... sentir-se bem, não importar-se com coisas pequenas. Como a vida é linda!
Nada melhor que sentir o vento bagunçando os cabelos, alisando o rosto, nada mais relaxante que ouvir o canto dos pássaros ou contemplar o céu azul.
Beijar de verdade, sentir o calor do abraço de alguém quando quiser. Olhar nos olhos é maravilhoso, pena que muitas pessoas preferem viver de mentira. Quero escutar barulho de gente, risos e vozes de crianças, viver vai muito além que simplesmente levantar de manhã, abrir os olhos e realizar as atividades rotineiras.
E você, meu amor, é real, não sonhamos que teríamos um filho, nós temos. Não idealizamos nossas viagens, viajamos. Não escrevemos "eu te amo", dissemos. Não inventamos o amor, desfrutamos dele.
Que bom que nos completamos, sabemos exatamente quais são os anseios do outro. Assim como você sabe que sou louca por vermelho, não porque eu disse, mas porque me viu usar muitas vezes. Sei que você adora bolacha de maizena, sucrilhos e sorvete napolitano porque me empanturrava disso só de lhe ver comer. Você sabe que adoro um vinho tinto suave, comer milho-verde cozido com muito sal, coca-cola gelada, nhoque ao sugo porque me conhece. Sabe que gosto de dormir até tarde porque inúmeras vezes me preparou o café da manhã. Sei que você gosta da série de tv Hercules, baseada nas façanhas do semideus da mitologia grega e Xena, a princesa guerreira rsrs porque cansei de observar você assistir. Eu gosto do chocolate preto, você do branco.
E é incrível poder amar a mesma pessoa todos os dias, sem essa neura de trocar de amor como se troca de roupa. Saber o que se quer não tem preço. Há quem se contente com as sobras, quem espera uma metade já que não tem o que quer por inteiro.
Você é um homem de verdade, eu uma mulher. Não vivemos de ilusões adolescentes. Sim, tentamos outros caminhos, mas sem restos, sem bacanais, sem frases feitas ou mentiras.
Somos únicos? Talvez. Um amor como o nosso é mais forte que tudo, que nossos enganos, que as adversidades da vida e muito mais.
Não há como não sermos abençoados, você está no caminho certo, vencerá essa guerra e nós, eu e nosso filho, estamos esperando sua chegada definitiva.
Esse final de semana nos contagiou como nos velhos tempos de namoro, eu tive a certeza do quanto vale à pena dar nova chance ao amor sincero, que não inventa, não trai. Amor inteiro, não pela metade.
Como canta certo artista que nem gosto, "quero estar com você nem que seja pra brincar de ser feliz". E se não der certo, vou erguer a cabeça e seguir em frente, feliz por ter tentado.
Se o que estamos vivendo for uma loucura, será a loucura mais maravilhosa que já vivi. Porque você faz parte da minha vida e está ao alcance das minhas mãos.
Antes de você, eu achava que o que eu sentia por alguns ex-namorados fosse amor, acreditava que um coração disparado era sinal de amar, mas nem sempre é. Depois de sua passagem pela minha vida percebi isso.
Amar é desejar a felicidade do outro mesmo se pra isso, for preciso manter distância. É abrir mão de certas coisas que se gosta se necessário, por que não?
Amar é gostar até mesmo dos defeitos da pessoa, sentir falta dos sapatos e meias jogados no chão da sala, do caos que fica a cozinha depois dos pratos maravilhosos que ele prepara, sentir falta de fazer nada num fim de semana de verão, assistindo um programa chato qualquer na tv desde que seja ao lado do outro. Amar é olhar a casa arrumada e lembrar dela bagunçada tendo alguém pra reclamar. Sentir falta das gavetas com as roupas reviradas, o xampoo sem tampa, a roupa suja fora do cesto ou a toalha molhada em cima da cama... bem... isso sempre foi obra minha rs, confesso.
Amar é sentir que a vida não faz sentido, não tem a menor graça sem alguém. Parece que tá faltando uma parte de nós mesmos, uma dor que até acalma, mas não cessa.


segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Um fim de semana agitado, mas feliz...

Impressionante como não precisa muito para darmos valor à vida, às pequenas coisas e ao amor.
Meu filho está muito feliz porque o pai vai passar Natal e virada de ano na praia conosco. Estamos planejando dias inesquecíveis como antigamente. Ele está fazendo um tratamento e, por essa razão, não está vindo visitar nosso príncipe. No sábado, levei "il nostro bambino" até o pai. E fizeram uma farra, foi a maior festa, passaram longas horas juntos se divertindo. Dava gosto observar a felicidade dos dois, os olhinhos do Éder brilhavam. Porém, tivemos que voltar pra casa.
No domingo, eu o levei ao Parque da Mônica, um espaço enorme e seguro. Ele correu, pulou, brincou em diversos brinquedos, a mamãe aqui também rs. Num determinado momento, estávamos juntos num espaço montando uns prédios, ele se levantou pra pegar mais peças e eu o vi sair pela portinha. Fui atrás na mesma hora. Não é que o perdi de vista? E mobilizei todo o parque, os monitores se empenharam em encontrá-lo, disseram que eu não me preocupasse, pois não havia como ele sair de lá. Eu sabia disso, mas sou mãe né? Quase enfartei, minhas mãos tremiam, comecei a chorar. Menos de dez minutos após o ocorrido, meu filho apareceu no colo de uma das monitoras. Acreditem, mais de meia hora depois que ele estava comigo de novo, eu ainda estava chorando. Aliás, chorei hoje umas três vezes pelo menos rsrs. Onde ele estava? Apenas "descansando" embaixo de umas cadeiras do refeitório, fica bem em frente ao espaço em que estávamos brincando, mas meu desespero me deixou cega. Bem, depois voltamos a brincar e a nos divertir apesar da marcação cerrada que fiz rs. E o restante do dia foi maravilhoso, chegamos em casa exaustos e felizes.
O que concluí? O que eu sempre soube, que meu filho é o meu grande amor, nada ou ninguém é mais importante que ele. Tudo farei pra sua felicidade plena.
Meu fim de semana foi assim, repleto de emoções e descobertas. Muito em breve será Natal e a família estará reunida outra vez. O que virá depois? Não sei. Só sei que os corações estão batendo mais forte e as expectativas são grandes.
Muitas vezes precisamos viajar o mundo pra descobrirmos que nosso porto seguro fica bem onde estamos.

PS: nesse momento estou numa ponta do arco-íris e você está na outra, estamos distantes, se nos encontraremos na metade do caminho... não sei. Só sei que nossa luta é a mesma e sua vitória será minha também. Eu acredito na cura e eu acredito no amor.

Sandra

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Um simples desabafo...

Tem dias que algo simples acontece, nada fora do comum, uma atitude básica de alguém, atitude que não é inesperada, muito pelo contrário, tão previsível... Ou uma simples ida ao mercado, uma frase que lemos, uma música que escutamos, isto é, algo corriqueiro mas que nos faz acordar pra vida. E refletimos, "por que será que não vimos o óbvio o tempo todo escancarado diante de nós?" E aí descobrimos que ninguém engana ninguém, nós é que nos enganamos. Ninguém mente pra ninguém. Nós criamos a mentira e vivemos nela. Até que um dia temos um estalo e acordamos.
As pessoas precisam estar mais atentas ao que acontece ao redor, precisam ser mais observadoras. De qualquer modo, tudo o que acontece nos faz crescer como seres humanos, nos serve como aprendizado, nos torna maduros. Até mesmo as coisas ruins têm seu lado bom, o lado do conhecimento e reconhecimento.
Essa semana eu aprendi uma lição e estou feliz por não ter ido até o fim com uma ideia absurda. E saio dessa lição mais fortalecida e consciente. Nem tudo é o que parece ser e nem todas as pessoas são como se mostram. Porém, a vida é linda, cheia de oportunidades e não devemos fechar os olhos pra isso.
Sempre vale à pena viver e jamais nos deixar abater mediante qualquer eventualidade ou adversidade. Se hoje não acabou bem, o amanhã existe e está a caminho.
Parafraseando o escritor Oscar Wilde, "viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe".


Sandra