terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Ausente por uns tempos...

FELIZ NATAL E EXCELENTE ANO NOVO!
ESTAREI AUSENTE, CUIDANDO DA VIDA, MAS VOLTO!
E VIVA A VIDA!

Como cantava Raul Seixas que sabia das coisas, deixo um trecho de uma canção que adoro:

"Oh seu moço do disco voador, me leve com você pra onde você for... oh seu moço, mas não me deixe aqui enquanto eu sei que tem tanta estrela por aí, enquanto eu sei que tem tanta estrela por aí..."

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Pequenas coisas que nos fazem felizes...

A vida é tão complicada as vezes, problemas repentinos que surgem e nos pegam de surpresa, problemas com as quais lidamos por tanto tempo e temos que driblá-los. Nunca estamos satisfeitos, sempre queremos mais.
Nossa vida, em grande parte, é uma busca constante. Busca por um grande amor, por uma oportunidade profissional, por um lugar ao sol. Além de desejos corriqueiros, tais como "aquela bolsa linda", "aquele corte de cabelo" ou ainda "aquela viagem pra não sei onde". Enquanto isso, o tempo passa diante de nossos olhos e não percebemos. Vivemos tão preocupados com nossos desejos, nossas procuras e não observamos o sol brilhando de manhã, mal sentimos o cheiro de terra molhada quando chove, sequer prestamos atenção ao canto de um pássaro ou simplesmente a mais um dia de vida ao lado das pessoas que nos são queridas, importantes.
Gostamos de alguém, dos pais, dos filhos, de amigos e não dizemos. Aquele abraço apertado, beijo ou sorriso acaba ficando pro dia seguinte porque estamos apressados, porque perdemos a hora. Tomar um bom café da manhã sentados à mesa numa conversa informal já não acontece, cada um toma um gole de café em horários diferentes e sai pra luta. Porém, o tempo é implacável e leva nossos dias pouco a pouco. Não falo de envelhecer, pois isso faz parte da vida, indica mais conhecimento, mais maturidade e também é bom. Eu falo sobre desperdício, sobre deixar de dizer um "como eu gosto de você", deixar de dar um passeio na beira do mar ou onde for, continuar deixando aquele abraço apertado e beijo pra amanhã. Não assistir ao filme que se quer ou ler o livro pretendido porque o dia tem só 24 horas...
As pequenas coisas que nos fazem felizes são fundamentais, são elas que nos dão forças pra enfrentarmos situações difíceis ou de mudança brusca. São elas que nos fazem sentir bem, fortes e felizes. Prontos para o que der e vier.
Bom pensar nisso!

Sandra

sábado, 21 de novembro de 2009

Amor de verdade...

Como é bom sentir paz... sentir-se bem, não importar-se com coisas pequenas. Como a vida é linda!
Nada melhor que sentir o vento bagunçando os cabelos, alisando o rosto, nada mais relaxante que ouvir o canto dos pássaros ou contemplar o céu azul.
Beijar de verdade, sentir o calor do abraço de alguém quando quiser. Olhar nos olhos é maravilhoso, pena que muitas pessoas preferem viver de mentira. Quero escutar barulho de gente, risos e vozes de crianças, viver vai muito além que simplesmente levantar de manhã, abrir os olhos e realizar as atividades rotineiras.
E você, meu amor, é real, não sonhamos que teríamos um filho, nós temos. Não idealizamos nossas viagens, viajamos. Não escrevemos "eu te amo", dissemos. Não inventamos o amor, desfrutamos dele.
Que bom que nos completamos, sabemos exatamente quais são os anseios do outro. Assim como você sabe que sou louca por vermelho, não porque eu disse, mas porque me viu usar muitas vezes. Sei que você adora bolacha de maizena, sucrilhos e sorvete napolitano porque me empanturrava disso só de lhe ver comer. Você sabe que adoro um vinho tinto suave, comer milho-verde cozido com muito sal, coca-cola gelada, nhoque ao sugo porque me conhece. Sabe que gosto de dormir até tarde porque inúmeras vezes me preparou o café da manhã. Sei que você gosta da série de tv Hercules, baseada nas façanhas do semideus da mitologia grega e Xena, a princesa guerreira rsrs porque cansei de observar você assistir. Eu gosto do chocolate preto, você do branco.
E é incrível poder amar a mesma pessoa todos os dias, sem essa neura de trocar de amor como se troca de roupa. Saber o que se quer não tem preço. Há quem se contente com as sobras, quem espera uma metade já que não tem o que quer por inteiro.
Você é um homem de verdade, eu uma mulher. Não vivemos de ilusões adolescentes. Sim, tentamos outros caminhos, mas sem restos, sem bacanais, sem frases feitas ou mentiras.
Somos únicos? Talvez. Um amor como o nosso é mais forte que tudo, que nossos enganos, que as adversidades da vida e muito mais.
Não há como não sermos abençoados, você está no caminho certo, vencerá essa guerra e nós, eu e nosso filho, estamos esperando sua chegada definitiva.
Esse final de semana nos contagiou como nos velhos tempos de namoro, eu tive a certeza do quanto vale à pena dar nova chance ao amor sincero, que não inventa, não trai. Amor inteiro, não pela metade.
Como canta certo artista que nem gosto, "quero estar com você nem que seja pra brincar de ser feliz". E se não der certo, vou erguer a cabeça e seguir em frente, feliz por ter tentado.
Se o que estamos vivendo for uma loucura, será a loucura mais maravilhosa que já vivi. Porque você faz parte da minha vida e está ao alcance das minhas mãos.
Antes de você, eu achava que o que eu sentia por alguns ex-namorados fosse amor, acreditava que um coração disparado era sinal de amar, mas nem sempre é. Depois de sua passagem pela minha vida percebi isso.
Amar é desejar a felicidade do outro mesmo se pra isso, for preciso manter distância. É abrir mão de certas coisas que se gosta se necessário, por que não?
Amar é gostar até mesmo dos defeitos da pessoa, sentir falta dos sapatos e meias jogados no chão da sala, do caos que fica a cozinha depois dos pratos maravilhosos que ele prepara, sentir falta de fazer nada num fim de semana de verão, assistindo um programa chato qualquer na tv desde que seja ao lado do outro. Amar é olhar a casa arrumada e lembrar dela bagunçada tendo alguém pra reclamar. Sentir falta das gavetas com as roupas reviradas, o xampoo sem tampa, a roupa suja fora do cesto ou a toalha molhada em cima da cama... bem... isso sempre foi obra minha rs, confesso.
Amar é sentir que a vida não faz sentido, não tem a menor graça sem alguém. Parece que tá faltando uma parte de nós mesmos, uma dor que até acalma, mas não cessa.


segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Um fim de semana agitado, mas feliz...

Impressionante como não precisa muito para darmos valor à vida, às pequenas coisas e ao amor.
Meu filho está muito feliz porque o pai vai passar Natal e virada de ano na praia conosco. Estamos planejando dias inesquecíveis como antigamente. Ele está fazendo um tratamento e, por essa razão, não está vindo visitar nosso príncipe. No sábado, levei "il nostro bambino" até o pai. E fizeram uma farra, foi a maior festa, passaram longas horas juntos se divertindo. Dava gosto observar a felicidade dos dois, os olhinhos do Éder brilhavam. Porém, tivemos que voltar pra casa.
No domingo, eu o levei ao Parque da Mônica, um espaço enorme e seguro. Ele correu, pulou, brincou em diversos brinquedos, a mamãe aqui também rs. Num determinado momento, estávamos juntos num espaço montando uns prédios, ele se levantou pra pegar mais peças e eu o vi sair pela portinha. Fui atrás na mesma hora. Não é que o perdi de vista? E mobilizei todo o parque, os monitores se empenharam em encontrá-lo, disseram que eu não me preocupasse, pois não havia como ele sair de lá. Eu sabia disso, mas sou mãe né? Quase enfartei, minhas mãos tremiam, comecei a chorar. Menos de dez minutos após o ocorrido, meu filho apareceu no colo de uma das monitoras. Acreditem, mais de meia hora depois que ele estava comigo de novo, eu ainda estava chorando. Aliás, chorei hoje umas três vezes pelo menos rsrs. Onde ele estava? Apenas "descansando" embaixo de umas cadeiras do refeitório, fica bem em frente ao espaço em que estávamos brincando, mas meu desespero me deixou cega. Bem, depois voltamos a brincar e a nos divertir apesar da marcação cerrada que fiz rs. E o restante do dia foi maravilhoso, chegamos em casa exaustos e felizes.
O que concluí? O que eu sempre soube, que meu filho é o meu grande amor, nada ou ninguém é mais importante que ele. Tudo farei pra sua felicidade plena.
Meu fim de semana foi assim, repleto de emoções e descobertas. Muito em breve será Natal e a família estará reunida outra vez. O que virá depois? Não sei. Só sei que os corações estão batendo mais forte e as expectativas são grandes.
Muitas vezes precisamos viajar o mundo pra descobrirmos que nosso porto seguro fica bem onde estamos.

PS: nesse momento estou numa ponta do arco-íris e você está na outra, estamos distantes, se nos encontraremos na metade do caminho... não sei. Só sei que nossa luta é a mesma e sua vitória será minha também. Eu acredito na cura e eu acredito no amor.

Sandra

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Um simples desabafo...

Tem dias que algo simples acontece, nada fora do comum, uma atitude básica de alguém, atitude que não é inesperada, muito pelo contrário, tão previsível... Ou uma simples ida ao mercado, uma frase que lemos, uma música que escutamos, isto é, algo corriqueiro mas que nos faz acordar pra vida. E refletimos, "por que será que não vimos o óbvio o tempo todo escancarado diante de nós?" E aí descobrimos que ninguém engana ninguém, nós é que nos enganamos. Ninguém mente pra ninguém. Nós criamos a mentira e vivemos nela. Até que um dia temos um estalo e acordamos.
As pessoas precisam estar mais atentas ao que acontece ao redor, precisam ser mais observadoras. De qualquer modo, tudo o que acontece nos faz crescer como seres humanos, nos serve como aprendizado, nos torna maduros. Até mesmo as coisas ruins têm seu lado bom, o lado do conhecimento e reconhecimento.
Essa semana eu aprendi uma lição e estou feliz por não ter ido até o fim com uma ideia absurda. E saio dessa lição mais fortalecida e consciente. Nem tudo é o que parece ser e nem todas as pessoas são como se mostram. Porém, a vida é linda, cheia de oportunidades e não devemos fechar os olhos pra isso.
Sempre vale à pena viver e jamais nos deixar abater mediante qualquer eventualidade ou adversidade. Se hoje não acabou bem, o amanhã existe e está a caminho.
Parafraseando o escritor Oscar Wilde, "viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe".


Sandra

sábado, 31 de outubro de 2009

Sobre Sexta à noite...

Estava eu em casa em plena sexta-feira sem nada pra fazer, sem ânimo pra me conectar à Internet. Até tinha um trabalho pra realizar, mas preferi ficar jogada no sofá com a TV ligada na novela das 6, sendo que eu não acompanho novelas e não estava entendendo a trama muito bem. Enquanto isso, meu filho estava rabiscando a parede da sala, a única que ainda era incrivelmente branca... acho que ele será um pintor no futuro ou algo assim.

Desde que o Éder nasceu, deixei de sair de noite, aliás, desde que eu me casei. Pois meu ex e eu éramos muito caseiros, gostávamos de assisitr a filmes no DVD. Ele preparava uns salgados, preferivelmente mini-pizzas, enquanto eu fazia a única coisa que sei fazer bem rs, pudim de leite moça. E jogada no sofá, fiquei pensando exatamente naquelas mini-pizzas.
Separada, solteira e com um filho de quatro anos, não costumo mais ir pra baladas até porque já fiz muito isso anos atrás. Nem curto mais. Eu gosto de ficar em casa. Posso ir ao cinema, a um restaurante, a uma festinha de criança levar meu "filhote" e só rs. Só que o telefone tocou às 18:30 aproximadamente, eram duas amigas que eu não via desde uma longa data. Elas insistiram tanto que eu topei sair. Deixei o Éder com meus pais e fui me produzir toda... sem muita vontade, confesso.

Chegamos por volta das 22 horas (sim, mulher sempre demora pra se arrumar) , na festa realizada na casa de um amigo das "meninas" que eu não conhecia ainda. A festa estava muito boa, bebi 2 batidas de maracujá e 4 espanholas, me animei e dancei a noite inteira. Afinal, eu não estava dirigindo. Tocava todos os tipos de música, mas eu sempre gostei de rock e flash back. O fato é que parei quando começou a tocar samba. Daí, uma amigo do dono da festa que me foi apresentado, Flávio, me ensinou a sambar ahahaha, imaginem. Aprendi em uma noite o que não aprendi a vida toda. Minhas amigas desacreditaram... se mais alguém me visse... pois sempre detestei samba. Sambei com muita classe! O que 2 batidas e 4 espanholas não fazem... aff.

O bizarro aconteceu depois, amanhecendo o dia, elas resolveram jogar tranca com os útimos sobreviventes da festa, adoro jogar tranca, eu e meu ex-marido virávamos a noite fazendo isso. Só que eu já estava só "o pó da rabiola" de tão cansada e ia pegar um táxi. Então o Flávio me ofereceu uma carona pra casa. Ao sairmos da festa, vimos uma caixa de papelão grande se mexendo, curiosos fomos olhar e lá estavam 2 cachorrinhos e 4 cadelinhas recém-nascidas. Umas gracinhas! Ficamos com dó. Já eram quase 6 da manhã e lá fomos nós tentar ajudar os bichinhos. Voltei pra casa do anfitrião pra buscar uma tigela, o Flávio foi até a padaria da esquina comprar leite e alimentamos os coitadinhos. Depois fomos tomar café pra despertar o sono, pois surgiu uma missão, a de encontrar um lar para os cachorros. Esperamos o relógio bater 7 horas e mesmo sendo uma manhã de sábado, telefonamos para os amigos, eu para meus contatos e ele para os dele. Alguns queriam nos matar, um mero detalhe! Após uma longa jornada de ligações, os dois doidos conseguiram. E um pouco depois das 9 todos os cachorros estavam em seus novos lares rsrs.
Vocês devem estar se perguntando a razão de não termos ficado com um. Bem, ele mora em apartamento e eu tenho um filho que poderia machucar o cachorro na hora de brincar, o Éder é todo "estrambólico" rs. Missão cumprida... ufa!
O Flávio me deixou em casa e eu só queria saber de cama. O rímel já estava borrado me deixando parecida com um urso panda, porém, a noite foi ótima e nossa boa ação de manhã também rs.

Sandra

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Hoje

Hoje eu acordei me sentindo leve como se tudo na vida fosse calmo. Eu não me sentia assim há tanto tempo.
Sabem quando olhamos o mar sentindo aquele sol da manhã na pele e nos dá uma sensação de paz, de conforto? Eu aqui na minha adorada Selva de Pedra não fui à praia, mas acordei exatamente com essa sensação, esse conforto.
Foi bom, está sendo bom não me preocupar com problemas, com coisas que poderiam ter sido e não foram. Simplesmente estou com a mente tranquila e o corpo relaxado.
Levantei mais cedo do que o normal, justo eu que adoro dormir até mais tarde, mas eu senti vontade de aproveitar melhor o dia nem que fosse só pra ler um livro ou ficar observando meu filho dormir como um anjinho.
Tomei um café da manhã como se deve, sem ser apenas aquele gole de café sem mais nada pra não me atrasar como acontece com frequência.
Eu me peguei cantando sozinha várias vezes no decorrer do dia que ainda nem acabou, mas ainda estou assim tal qual um pássaro voando por um lindo céu azul.
Motivos? Não os tenho, nenhum em especial. Certas coisas não se explicam, são e pronto.
Na realidade, para uma pessoa se sentir bem não precisa muito, basta ela estar bem com ela mesma. A felicidade é um estado de espírito.

Sandra

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Hoje eu preciso de mim...

Hoje eu preciso de mim.
Juntar palavras derramadas
Sentimentos escondidos.
Pintar as dores em cores vivas.
Virar páginas... folhear outras
Abandonar convenções, juntar cacos
Desatar nós, tirar o pó da vida.
Hoje eu preciso de mim... Inteira
Olhar no espelho e me enxergar
Voar, voar, voar até cansar
E descansar dentro de mim
Preciso do silêncio... do barulho..
Do dia e da noite... do tempo!
Hoje eu preciso de mim... absoluta e plena
Preciso acordar, gritar... me conduzir
Chorar, sorrir, acertar, errar
Insistir, desistir, tentar... parar o relógio... ou acelerar
Sair do labirinto e romper teias... dizer Adeus.
Eu preciso voar!
Contornar minhas linhas e minha existência
Hoje preciso de mim...
Preciso voltar pra mim!

Uma poesia de Rozeli Mesquita, extraída do site http://sitedepoesias.com.br/poesias/

sábado, 10 de outubro de 2009

Todo dia é dia das crianças...

Criança é um barato. O meu filho vive me surpreendendo. Ele tem o hábito de ficar feliz quando o 'caminhão' de gás passa, costuma parar tudo o que está fazendo e sai pra olhar pela janela ou vai até o quintal pra ver de perto.

- Oi, homem do gás!
- Oi, menino!

E o sorriso dele vai de orelha a orelha.
O mesmo acontece com o caminhão da coleta de lixo.

Todos os anos, um morador aqui na rua se veste de Papai Noel e passa numa caminhonete vermelha distribuindo balas e presentes, cada pai ou mãe entrega na casa desse vizinho um presente com o nome da criança e o nº da casa. É muito divertido, a rua vira uma grande atração. E acreditem, meu filho faz mais festa com o caminhão da coleta de lixo cujos trabalhadores passam acenando pra ele do que com a passagem do Papai Noel, final do ano passado foi assim.

Dia das crianças está chegando, meu filho já está ganhando presentes dos tios e avós-coruja, são brinquedos legais, até eu curto brincar. Mas sabem com o que ele está brincando e se divertindo? Com uma bolinha que eu fiz amassando papel e passei fita adesiva em volta pra não desmanchar rsrs, os brinquedos estão lá aguardando sua vez, jogados no chão da sala. Um limão também serve, viu? Esse é meu filho!

No supermercado, por exemplo, eu coloco as compras dentro do carrinho e ele, de dentro do carrinho, joga pra fora. Se eu deixá-lo andando comigo no chão, ele vai atrás das laranjas e dos limões pra jogar e chutar, ou seja, ir com ele ao supermercado nem pensar, pois lá não é um campo de futebol rs. Mas, o que percebo? Que coisas simples fazem meu pequeno tsunami feliz. Muitas vezes nos preocupamos tanto, pra quê? Ser feliz é muito mais fácil que isso.
Vamos levar nossos pequenos pra passear, vamos presenteá-los, porém, vamos participar brincando, vamos improvisar e receber como prêmio aquele sorriso lindo.

Pensar na educação que damos aos nossos filhos é primordial para transformá-los em homens e mulheres decentes e de fibra no amanhã. Criança deve ter infância: rir, jogar bola, brincar com carrinhos e bonecas, pega-pega, esconde-esconde ou seja lá a brincadeira que for. Para no futuro, se tornar um homem ou mulher de bem, sem traumas, sem marcas e com capacidade de ser um/a educador/a.

Também vamos nos unir e dizer não à pedofilia e a qualquer tipo de violência às crianças.
Onde denunciar:
Polícia Federal: http://www.dpf.gov.br/
Ministério Público: http://www.prsp.mpf.gov.br/
Interpol: http://www.interpol.int/

É isso, toda dia é dia das crianças, dia de dar nosso amor incondicional e sermos duros quando necessário para o aprendizado dos pequenos.
Quanto ao meu tsunamizinho, não sei se vai brincar com os brinquedos que ganhou ou se terei que ir à feira comprar limão rsrs. Seja como for, desejo um feliz Dia das Crianças para todos, inclusive para a criança que existe dentro de cada um de nós.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

As dez coisas que eu detesto

Olá, pessoal



Eu aceitei o desafio da Luísa, (Lulei), e elegi as 10 coisas que mais odeio. Confesso que existem muitas coisas que eu não gosto, felizmente consegui escolher dez rsrs.
Segue a lista abaixo, não estão todas na mesma ordem necessariamente:

1) Falta de educação - essa palavra é muito abrangente. As pessoas precisam "se tocar" de que o direito delas acaba quando começa o do outro, respeitar o próximo e o meio ambiente é fundamental. Tente se colocar no lugar de alguém e pense "e se fosse com você"?
Odeio quando vejo alguém jogar lixo no chão. Odeio quando vejo alguém que não cede banco reservado a quem tem direito. Essas são práticas muito comuns hoje em dia, trata-se de atitudes feias.

2) Barulho fora do horário permitido: eu tenho uns vizinhos que têm o hábito de começarem uma festa de arromba durante a madrugada. Além disso, outra vizinha sempre fazia cultos no lar, considero algo muito bom. Isso deve proporcionar uma paz indescritível, mas o culto tem que começar depois da meia-noite? E em pleno dia de semana? É culto pentecostal, então já dá pra imaginar. Eu disse 'fazia' porque ela resolveu mudar o horário. Chamo a polícia mesmo! Acordo cedo apesar de adorar dormir até mais tarde. Aguardem, falarei sobre isso logo mais rs.

3) Falta de noção: não suporto quando alguém não respeita a opinião alheia. Se você gosta de azul, eu gosto de vermelho e daí? As pessoas precisam aprender a viver em sociedade, caso contrário, floresta existem muitas... E boa viagem!!!
Outro dia, dei minha opinião a respeito de um assunto num certo post, comentei no blog da pessoa. Um indivíduo cuja a opinião era contrária a minha, também foi lá comentar e queria me convencer de que eu estava errada. Por favor, me poupe! Eu respondi a ele o seguinte, eu respeito toda e qualquer opinião, mas mantenho a minha sempre! (A menos que fatos concretos me mostrem que estou errada). Sinceramente, eu não tento mudar o ponto de vista das pessoas, cada um tem o seu, é uma pena que há aqueles que acham que todos devem pensar igual, lamentável.

4) Esperar: assim como o amigo Lison, detesto esperar, fico ansiosa. Não custa a pessoa avisar a respeito de um atraso. E se eu tiver que esperar por um resultado então? Seja sobre o assunto que for, não gosto.

5) Chicletes: eu também não suporto quem fica mascando chiclete e estourando bolinhas ahahaha. Sou do time da Tereza e do Diego, isso é estressante. E também não gosto de quem mastiga qualquer comida e fala ao mesmo tempo, fazendo barulho e mostrando a comida mastigada dentro da boca. É um horror!

6) Corinthians: bem, me desculpem os corinthianos rsrsrsrsrs, mas eu DETESTO o Corinthians!!!

















7) Pessoas fungando: eu me irrito com gente que fica fungando sem parar. Está com gripe? Ok, mas por favor, assoe o nariz! Simples e fácil. Porque é muito irritante ficar perto de uma pessoa que parece estar 'chupando cana' o tempo todo.





















8) Torneira pingando: outro fator em comum com o amigo Lison, além de ser um desperdício de um bem precioso que é a água, ainda é extremamente irritante ouvir as gotas caindo.








9) Bocejo: vocês vão descobrir que sou chata ahahahaha. Insuportável! Preciso de terapia mesmo.
Vou tentar explicar, todo mundo boceja, isso é perfeitamente normal, mas confesso que me irrita quando alguém boceja parecendo um urso urrando. Sabe, tem horas que quero ficar concentrada no que estou fazendo e, de repente, ouço um "uahahahahahahahahahah". Até me assusto rs.


10) Acordar cedo: eu não poderia deixar de confessar meu segredo rsrs. Amo dormir, não me importo em ir me deitar tarde, mas acordar cedo é um drama sempre. Detesto acordar cedo!
















É isso. Sei que posso exagerar em algumas coisas, entretanto, seria hipocrisia da minha parte não colocar esses itens. Chocados? Rsrsrs.
Passo a bola para João Poeta, a Patchulla, Emília, Maha, Atila, Joselito, Príncipe Encantado, Ismaelita, Alex e o amigo Nogueira. Caso algum de vocês já tenha feito, desconsiderem rs.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Por que as pessoas mentem?

Eu estava pensando o porquê as pessoas mentem. Será pelo simples prazer? Será por comodismo? Qual será a razão? Depende do caso.
Existem mentiras bobas, dessas que podem não causar estragos passando desapercebidas. Pois não interferem na vida de alguém de modo direto. Existem aquelas mentiras que apenas deixam fulano ou ciclano numa posição melhor como se fosse "o cara". Esse tipo é uma ilusão pra pessoa que conta, mas pra quem ouve não faz diferença. Porém, existem mentiras que podem abalar a vida de alguém. E eu tento compreender a razão que leva uma pessoa dizer algo que não é verdade. Seria com o objetivo de prejudicar uma pessoa? Muitas vezes sim. Há quem sinta felicidade ao ver o outro triste. Também há aquelas situações em que a intenção é boa, uma pessoa quer ser e fazer a outra feliz, no entanto, mesmo acreditando que tudo acabará bem, que as coisas se ajeitarão, isso não ocorre e aí sim uma catástrofe se abate sobre elas. Por esse motivo, dizer a verdade é sempre a melhor opção desde o início. Assim, feridas poderão ser evitadas em todos os envolvidos. Evitar que uma situação fique insustentável e depois não se consiga mais encontrar meios pra se colocar as coisas em seu devido lugar é fundamental. Analisar bem o que vai ser dito requer um planejamento muitas vezes. Mesmo pra quem conta mentirinhas inofensivas é bom saber que a verdade sempre aparece de repente, numa simples conversa.
Nunca faça pra alguém o que não quer que façam pra você. Nunca permita que uma pessoa confie sua vida a você se a recíproca não for verdadeira. Não diga pra uma pessoa que cuidará dos negócios dela se não puder cumprir, só pra agradá-la. Não diga que resolverá este ou aquele problema se a pessoa não puder contar com você seja pela razão que for. Não diga para seu pai que o substituirá na empresa, se sua vocação não for essa, pois isso o impedirá de encontrar alguém capacitado para ocupar esse lugar. jamais diga "eu te amo" se isso for apenas o que você gostaria de sentir, mas não sente porque em seu coração há um outro alguém que não era pra estar ali. Enfim, jamais prometa o que não poderá ser cumprido só porque você acredita que esse momento vai chegar, pois as pessoas têm sonhos, sentimentos e podem se magoar. Um dia, alguém poderá lhe dizer algo que não vai acontecer e você também se sentirá perdido, enganado.
Esse tipo de atitude pode ferir muito alguém que fez planos baseados nas suas palavras. Portanto, só fale aquilo que realmente sentir, que estiver em seu coração e em seus propósitos como uma meta em sua vida.

Sandra

BlogBlogs.Com.Br

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Blogagem Coletiva - Quebrando o Silêncio













Qualquer tipo de violência é inaceitável e revoltante. Seja contra mulheres, idosos, enfim. Porém, abusos contra crianças, incluindo bebês é uma prática monstruosa.
Eu me sinto enojada a cada novo caso que surge. E pensar que muitos políticos, médicos, militares estão envolvidos. Sabemos que as autoridades estão atentas, mas ainda assim é pouco. Essa prática está crescendo cada vez mais e nós, cidadãos, precisamos unir forças, cada um fazendo sua parte para que o resultado final seja positivo.
Não podemos apenas ler os noticiários e ficarmos lamentando e aguardando ações judiciais, devemos sim aguardá-las, cobrá-las, no entanto, precisamos nos doar um pouco mais também.
Criança deve ter infância: rir, jogar bola, brincar com carrinhos e bonecas, pega-pega, esconde-esconde ou seja lá a brincadeira que for. Para no futuro, se tornar um homem ou mulher de bem, sem traumas, sem marcas e com capacidade de ser um/a educador/a.
Essa é uma causa que precisamos todos abraçar, vamos dizer não à pedofilia, mas mais que isso, vamos participar e denunciar os criminosos.
Eu, como mãe, quero um futuro melhor não apenas para meu filho, mas para todos os pequenos e quando eu não mais existir, quero partir com a certeza de que fiz a minha parte, que não fui mais uma telespectadora dos fatos que ocorrem na vida e, sim, que ocupei um papel maior, fui atuante, buscando melhorias e me sentindo útil.

Segue abaixo algumas informações importantes:

Tendo como principal meio de divulgação a Internet, a pedofilia movimenta milhões de dólares por ano e expõe milhares de crianças indefesas a abusos que nem mesmo adultos suportariam.

Podemos afirmar hoje, a existência de Clubes de Pedofilia! Esses “Clubes” servem para “associar” pedófilos pelo mundo; onde estes podem adquirir Fotos ou Vídeos contendo Pornografia Infantil ou, pior, “contratar” serviços de Exploradores sexuais, fazer Turismo sexual ou mesmo efetivar o Tráfico de menores e aliciá-los para práticas de abusos sexuais. E, pasmem, este circo de horrores é responsável pelo desaparecimento de crianças no mundo inteiro.

Desenvolvemos um trabalho árduo, sem fins lucrativos, no combate ao crime, recebendo e repassando denúncias, com o auxílio de internautas que de algum modo, se viram diante de sites ou imagens contendo pornografia infantil ou pedofilia.

Hoje, a nossa principal missão é a conscientização de internautas (usuários da Internet), políticos (responsáveis pela Legislação do País), as Famílias e a Sociedade como um todo, sobre a situação preocupante, imposta pela ação criminosa através da Internet. Nossas crianças correm o risco real e imediato de serem assediadas via Internet, raptadas para contracenarem em cenas sádicas, doentias, ou ainda, de verem publicadas sua dor, sua angústia pelo sofrimento no abuso ou exploração sexual... Por isso, abrace esta causa.

QUEM DENUNCIA, SALVA!

Fonte: Site Censura. com



Prevenir: saiba como proteger seus filhos em relação à internet.

1 Mantenha o computador em uma área comum da casa. Não deixe no quarto da criança usuária da Internet por ser diferente de um móvel ou de um livro.

2 Acompanhe a criança quando utilizar computadores de bibliotecas.

3 Navegue algum tempo com a criança internauta. Da mesma forma que você ensina sobre o mundo real, guie-o no mundo virtual.

4 Aprenda sobre os serviços utilizados pela criança, observe suas atividades na Internet. Caso encontrem algum material ofensivo, explique o porquê da ofensa e o que pretende fazer sobre o fato.

5 Denuncie qualquer atividade suspeita. Encoraje a criança a relatar atividades suspeitas, ou material indevido recebido.

6 Caso suspeite que alguém on-line está fazendo algo ilegal, denuncie-o às autoridades policiais ou ao site www.censura.com.br.

7 Estabeleça regras razoáveis para a criança. Discuta com ela as regras de uso da Internet, coloque-as junto ao computador e observe se são seguidas. As regras devem, por exemplo, estabelecer limites sobre o tempo gasto na Internet.

8 Se necessário, opte por programas que filtram e bloqueiam sites. Encontre um que se ajuste às regras previamente estabelecidas.
* Indicamos o NetFilter Família.

9 Monitore sua conta telefônica e o extrato de cartão de crédito. Para acessar sites adultos, o internauta precisa de um número do cartão de crédito e um modem pode ser usado para discar outros números, além do provedor de acesso à Internet.

10 Instrua a criança a nunca divulgar dados pessoais na Internet, por exemplo, nome, endereço, telefone, escola e o e-mail em locais públicos, como salas de bate-papo. É a versão moderna do “nunca fale com estranhos”. Recomende que a criança utilize apelidos, prática comum na Internet e uma maneira de proteger informações pessoais.

11 Conheça os amigos virtuais da criança. É possível estabelecer relações humanas benéficas e duradouras na Internet. Contudo, há muitas pessoas com más intenções, que tentarão levar vantagem sobre a criança.

12 Cuide para que a criança não marque encontros com pessoas conhecidas através da Internet, sem sua permissão. Caso permita o encontro, marque em local público e acompanhe a criança.

13 Aprenda mais sobre a Internet. Peça para a criança ensinar a você o que sabe e navegue de vez em quando.

Texto de Anderson e Roseane Miranda



Onde denunciar

Polícia Federal: http://www.dpf.gov.br/
Ministério Público: http://www.prsp.mpf.gov.br/
Interpol: http://www.interpol.int/

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Um jardineiro fiel

Era uma tarde de inverno, não estava muito frio, mas o sol tímido que se atrevia a aparecer, mal esquentava.

Alexandre resolveu caminhar um pouco pela cidade envolto em seus pensamentos, em seus problemas e formas de resolvê-los. Era um homem bonito, inteligente, irreverente, atrevido, porém, com um coração enorme. Avistou um banco numa praça bonita, cheia de árvores e pássaros que cantavam e voavam livremente. Pensou por uns instantes na vida daqueles bichinhos. Eles eram felizes e não sabiam. Alexandre olhou ao redor, tudo estava calmo. Num banco mais distante havia um casal apaixonado. Noutro duas amigas conversando. Distraído, nem percebeu que no banco em que escolheu pra se sentar, tinha um homem de meia idade. Ele olhou para Alexandre e iniciou uma conversa:

- Você se sentou bem aqui ao meu lado e não sentiu medo, fico contente.

Alexandre olhou para aquele homem cujo rosto era marcado pelo sofrimento e respondeu:

- Por que eu deveria lhe temer?

- Muitas pessoas me olham e escolhem outro banco pra se sentarem. Acham que sou algum tipo de ladrão.

- Eu sei me defender. Mas o senhor não me parece um homem que represente perigo.

Percebendo a atenção do outro, este começou a contar um pouco de sua história:

- Eu sou um homem trabalhador, fui feliz ao lado de minha esposa e filhos. Infelizmente, um acidente de carro levou embora minha família pra sempre. Fiquei sozinho nesse mundo, não tenho parentes. Como ‘desgraça’ pouca é bobagem, perdi meu emprego. Não consegui mais pagar o aluguel e hoje vivo perambulando por aí em troca da caridade de um ou outro que me dá o que comer. Não pense, moço, que eu gosto dessa situação. Procuro emprego. Mas, olhe pra mim. Com minhas roupas rasgadas, não me dão atenção e já me dispensam.

- Vejo que suas roupas estão velhas e rasgadas, mas o senhor não está sujo, nem cheirando mal.

- Bem, isso é porque tem um pequeno shopping aqui perto. Todos os dias, eu vou ao banheiro e dou um jeito de me manter limpo. Até hoje não impediram minha entrada. Alguns vendedores de lojas me servem um lanche de vez em quando e assim sigo minha triste vida.

Alexandre se esqueceu dos seus próprios problemas ao ouvir aquele homem. E disse:

- O senhor me espere aqui. Volto em breve.

Ele achou estranho, mas não tinha mesmo pra onde ir e ali ficou a esperar.

Mais ou menos meia hora depois, Alexandre apareceu com uma sacola e a entregou ao indivíduo que olhava atônito. Quando ele pegou a sacola e a abriu, viu uma calça, uma camisa e um par de tênis novos. Não conseguindo conter a emoção, nada disse, apenas deixou suas lágrimas banharem seu rosto. Depois de um longo tempo, agradeceu.

Alexandre perguntou o nome daquele pobre homem. Era Deus.

- Sei que parece brincadeira, mas esse é mesmo o meu nome. Eu me chamo Deus.

Alexandre riu e fez uma proposta a Deus, o convidou a cuidar de seu jardim. Trabalhar como jardineiro em troca de um salário, comida e um quartinho no lado de fora da casa, nos fundos. E Deus não acreditava no que estava acontecendo, a sorte estava sorrindo novamente pra ele. Claro que aceitou e jurou não decepcionar aquele bondoso rapaz.

E foi assim, o homem teve uma nova chance de ser respeitado por uma sociedade preconceituosa. Enquanto Alexandre, ao se sentar naquele banco de praça numa tarde de inverno, concentrado em sua vida que não estava muito bem, percebeu que todos têm problemas e que a grande maioria nem imagina que se olhar pra trás, verá pessoas em situações muito pior.

Alexandre sabia que podia confiar em seu jardineiro. Algo dentro de si dava a ele essa certeza. Sabia que sua casa estaria em segurança.

Certa vez, alguns meses depois, olhou pela janela de seu quarto e reparou que o jardim estava mais belo, as flores pareciam ter mais vida. Alexandre ficou um tempo a admirar aquela visão e pensou em voz alta: “Não é todo mundo que tem Deus cuidando do seu jardim”. E sorriu satisfeito.

domingo, 14 de junho de 2009

Tudo o que eu preciso é amor

Eu não desejo sentir somente sua boca na minha
Nem suas mãos tocando minha pele
Quero mais, sair dos meus devaneios noturnos
Destruir essa barreira que nos fere

Quando você me chama, o mundo se ilumina
Eu me sinto sucumbir
Até as flores parecem mais belas
No momento em que você sorri

Tanto carinho tenho pra lhe dar
Fazer nosso amor acontecer
Sempre me perco em seu olhar
Quero a delícia de ser amada por você

Muito tenho pra lhe oferecer
Até o universo conspira ao nosso favor
Tudo o que eu preciso é você
Tudo o que eu preciso é amor

Sandra

sábado, 6 de junho de 2009

Saudade






Saudade é uma coisa que machuca. Há saudade doce e há aquela que fere. Quando se tem alguém, mesmo na ausência, sabemos que a pessoa está trabalhando, viajando, no trânsito ou seja lá onde for, mas ela estará junto de nós em breve. Quando um relacionamento chega ao fim, passa a existir a dor de saber que não haverá mais espera, não é que seu amor está atrasado, ele não virá, pois tem outro endereço. E aí dói profundamente. É incrível, pois mesmo quando o amor acaba, resta saudade de tudo aquilo que já foi e não é mais, dos momentos vividos, mesmo sem desejar vivê-los novamente. Mesmo quando existe a certeza da decisão tomada. Ainda assim o vazio se faz presente, tomando conta não apenas de nós, mas do ambiente.
É assim a minha saudade, saudade da cozinha bagunçada, saudade dos pratos que você preparava, da minha comida favorita. Uma falta da roupa suja jogada no chão do banheiro que tanto me irritava. O seu lugar na mesa ficou vazio, o seu sofá preferido não tem mais seu corpo jogado nele. A cama agora é só pra mim assim como o controle da televisão e o guarda-roupa. A casa ficou vazia, a vida é só minha.
Estamos separados e a partir de agora, não haverá mais desentendimentos, mas também não haverá mais diversões. Eu não vou mais te chamar de 'bilú-bilú' e nem de 'pitelzinho'. Você não vai mais me chamar de 'Tanda'. Quando perdermos o sono, não jogaremos tranca até de madrugada. Não vou mais fingir que aguento assistir aquele filme que detesto "O Senhor dos Anéis' só pra te fazer companhia e acabar dormindo sempre antes dele chegar na metade.
Eu me lembro de uma briga em que eu disse que se você continuasse por aqueles caminhos tortuosos, eu morreria. Você respondeu que quando eu morresse, você já estaria velhinho desejando morrer também. Nem percebeu que sem pensar, fez a melhor declaração de amor naquele momento. E era esse o nosso plano, ficarmos velhinhos até o fim dos nossos dias. Porém, não havia mais possibilidade de levar esse relacionamento adiante. E você sabia disso. Não dava mais pra continuar e o fim foi inevitável. Ainda assim, não sei porque dói lembrar da gente na praia, brincando de pega-pega no mar feito duas crianças. Ou lembrar da gente em Poços de Caldas tomando aquele banho térmico. E daquela vez quando entramos no bondinho, seu medo de altura só nos permitiu ir, você me fez voltar a pé do passeio, escalando, levando quatro horas além do que levaríamos normalmente pra chegar. Eu quis te 'matar', voltei com uma enorme dor de cabeça. Enfim, eu poderia ficar aqui horas e horas lembrando uma série de situações tristes, alegres e engraçadas...
Um amor mesmo quando termina deixa marcas e o nosso deixou muitas, deixou também o melhor de nós dois: o nosso filho que é a sua cara! Olho pra ele e vejo você.
Se pudesse olhar dentro de mim agora, em vez de me culpar pela decisão de terminarmos, saberia o quanto lhe quero bem, o quanto desejo sua felicidade e o quanto você esteve, está e sempre estará em minhas orações. Se pudesse olhar dentro do meu ser nesse instante, saberia que não guardo mágoas e rancores, guardo apenas as boas recordações. E apesar do fim, "você foi o maior dos meus casos e das lembranças que eu trago na vida, você é a saudade que eu gosto de ter". Certas coisas não se explicam, são e pronto. E fica essa falta, não propriamente de você, mas da nossa história que foi marcante e inesquecível.


PS: Esse é, sem dúvida, um desabafo da minha mente e do meu coração. Um texto escrito há 10 meses quando meu casamento chegou ao fim, muita água já rolou embaixo dessa ponte, mas resolvi postar aqui porque tudo o que vem do coração não deve ficar escondido. Todas as emoções vividas devem ser mostradas.
Aprendi nesses setes anos juntos que o amor se for verdadeiro, nunca acaba. Não é como aquele tipo de "amor ilusório" que pensamos sentir por alguém e, de repente, acaba do mesmo modo que começou, sem importância. O verdadeiro amor não tem fim, ele se transforma, vira uma amizade, um sentimento fraternal, mas continua lá pra sempre.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Criminalidade está relacionada a problemas sociais?

Seriam os criminosos vítimas da sociedade? A violência e a falta de civilidade estariam ligadas ao desemprego? A grande maioria das pessoas acreditam que sim. Contudo, como se explica a existência de tantos pobres que não roubam, nem matam? Podemos afirmar que o furto de um litro de leite, uma manteiga, uma laranja ou qualquer outro alimento com o intuito de saciar a fome trata-se de uma afronta à sociedade? Não se discute o fato de ser uma atitude incorreta, mas deveria ser considerado um crime? Crime? Então vamos mudar o foco, agredir a outro ser humano, cometer estupros, homicídios entre outros delitos significa que aqueles que os cometem são pobres incompreendidos? Os assassinos, sequestradores, estupradores, pedófilos, ou seja, esses 'coitadinhos' são discriminados e temos que aceitar que em virtude disso, eles descontem em inocentes?
Não é novidade que os membros dos Direitos Humanos os defendem com unhas e dentes, boa parte dos políticos ignoram a maioria dos problemas sociais porque precisam gastar o dinheiro do contribuinte em sua vida privada em vez de direcioná-los ao destino correto e sequer estão preocupados com as leis judiciais que precisam de reformas. E a população? Vai continuar aceitando essa posição? Até quando?
É impressionante, mas existem exemplos de pessoas que saíram do nada e conseguiram se destacar na vida sem se tornarem marginais enquanto muitos filhinhos de papai que têm tudo, partem para a criminalidade. Pois é, isso prova que desculpas foram feitas para serem usadas. Francamente! É possível mudar gostos, hábitos, estilos de vida sim, as pessoas podem mudar de ideias, há essa flexibilidade que possibilita essas mudanças, porém, a essência é a mesma, não há como mudar a personalidade de alguém, o que prova que o caráter ou a falta dele não está relacionada à pobreza ou riqueza. Que bom seria se todas as pessoas pudessem viver bem, se não houvesse essa má distribuição de renda, se a renda per cápta não fosse a vergonha que é e se todos tivessem seu lugar ao sol, infelizmente, não é assim. Só que um erro não justifica o outro, não está sendo criticado aqui um ato desesperado de um pai mediante a fome de um filho e sim as barbaridades que muitos seres "humanos desumanos" praticam, entretanto, muito pior é atribuir esses fatores aos problemas sociais.
Sandra

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Rendezvous

Esse é um texto de Silvio Guerra, mas faço minhas as palavras dele!Sabe quando temos a sensação de que as coisas começam a perder o sentido? Creio que isso acontece porque podemos não acompanhar o ritmo das mudanças, sejam elas quais forem. Como se do dia pra noite tudo não passasse de rotina numa selva de concreto não mais sentimental e abstrata como antes, mas irreal e inconsistente; é difícil, porém não consigo me cegar a essas reviravoltas e fingir que nada está acontecendo. E daí você sente que deve escrever para não explodir com tanto o que pensar, entre possibilidades e tentativas de entendimento de situações impossíveis de se entender. É, nasci com essa semente verbal que aos poucos vai germinando em milhares de frases, mas de que adianta sendo que não consigo aprender nada comigo mesmo? Ainda mais porque não estimo grandes conquistas para pessoas que não conhecem a si mesmas... No entanto quanto mais penso, me perco no horror de imaginar ser uma dessas pessoas, por mais que minhas ambições sejam maiores que meus próprios sonhos. E existe um abismo de diferença entre ambos... Mas enfim, esse é um texto sobre mim, portanto não confunda quem fala com o que é dito, já que como disse no início, a minha tão uniforme e retilínea lógica está mais uma vez sendo interrompida por uma série de reações em cadeia que bagunçam generalizadamente TODOS os meus aforismos, não vejo mais motivos pra tentar escrever para mim mesmo... Sabe quando você percebe que vai deixar tudo desabar? Sinto o sangue que corre nas minhas veias congelando e não vejo solução para isso a não ser a única estrada que me resta dentre todas as alternativas. Não preciso nem dizer que é a mais complicada, certo? Já prevejo minhas próximas palavras sangrando em versos de culpa, egoísmo e irresponsabilidade... Mas o que diabos eu entendo de ”Amor”? Sei que é muito mais que palavras e sentimentos, entretanto meu passado de trilhas de corações desapontados e esperanças perdidas equilibram-se com todos os sorrisos que já fui capaz de proporcionar. Novamente, vejo-me preso nessas correntes de prerrogativa felicidade momentânea... No entanto, será diferente. Serei eu quem proporcionará as novas mudanças e por mais que doa, este continua sendo meu jogo e ainda se manterá no meu ritmo, nas minhas circunstâncias, as quais ninguém além de mim mesmo precisa entender. Não quero me manter tendo essa impressão de que estou perdendo meu tempo num sacrifício sem fim.Voltando aos meus caminhos... Se de um lado jogo para o alto todas as decisões já feitas e os ganhos já tidos, do outro vejo um novo mundo se abrindo aos poucos com dezenas de pequenos universos a serem explorados sem receio ou compromisso algum. É aquela velha história da contrabalança entre o que se tem e o que se poderia ter; ah, como eu queria que fosse simples assim... Há coisas muito mais profundas do que essas palavras podem dizer. Mais uma vez levei as coisas longe demais. Dizem que só aprendemos de verdade se for pelo caminho mais difícil, sabe, eu até concordo com isso, mas a minha realidade... a minha realidade é outra. Sinto como se merecesse toda essa neblina que abruma cada vez mais meu orgulho com a dor de uma decisão pendente... A propósito, rendezvous é um termo em francês que significa “bagunça”, mas também pode significar “retorno” ou “encontro”. Não existe, em todo meu livro de palavras, um título melhor para este atual momento...

Silvio GuerraPublicado no Recanto das Letras em 02/01/2008Código do texto: T799521

Sentimento Doido

Sentimento estranho, inexplicável e forte;
Surge de repente e nem depende de sorte;
Invade a alma, os póros, a mente e o coração;
Que nos faz pensar em loucuras e não sentimos os pés no chão;
Perdemos o controle, num momento há vontade de sorrir, noutro chorar;
Gera ciúmes e desconforto, é difícil suportar!
Sentimento doido esse que nos leva embora a razão;
Ainda assim é prazeroso de sentir, estou falando de paixão.
Sandra

Ah esse homem...

Caramba! Se tem uma coisa que me estressa é o fato de mexerem nas minhas coisas, se eu deixei naquele determinado lugar, é lá que deve ficar.Por que? Não posso colocar um pão com manteiga já mordido guardado no freezer? Tá, tudo bem, é estranho, mas é o meu pão com a minha mordida e no meu freezer! Num determinado momento fui pegá-lo e opa! Cadê o meu pão?Putz, outro dia escovei meu cabelo e, como toda mulher que escova o cabelo, ele cai. Imagine você mulher, atrasada pra sair de casa de manhã, deveria ter acordado às 6 e acordou às 7, você tem milhares de coisas pra fazer, entre elas arrumar o cabelo e quando vai escová-lo, pronto, o chão do banheiro fica repleto de fios. Não é que o tal homem apareceu mais tarde lá? Saiu da própria casa, foi até a minha sem que eu estivesse e simplesmente começou a lavar o meu banheiro. Uau! O que faz um fio de cabelo, no meu caso um milhão de fios.O pior está por vir, imagine você chegando em sua casa cansada e, de repente, olha para a parede da cozinha e vê que o rejunte preto está branco. Tudo bem, o rejunte estava descascando e precisava de uma nova mãozinha, mas você escolheu preto e o encontra branco? Advinha quem foi que pintou? Sim, mais uma obra do mesmo homem. Que intrometido!Vocês devem estar se perguntando, mas quem é esse homem? E por que ela permite isso?Esse homem não faz por mal, desde que parou de trabalhar sem nada mais pra fazer enquanto lida com sua hiperatividade, depois de atormentar a esposa, sobe na minha casa e atormenta a filha.Sim, estou falando do meu pai, uma pessoa que com o intuito de ajudar, consegue, mas me irrita também ehehe. Eu poderia tomar inúmeras medidas quanto a isso, mas não com ele.Esse homem é muito importante na minha vida, toda a estrutura que tenho pra enfrentá-la devo a ele.Imaginem um homem que não dormia durante a noite quando eu era criança e ficava doente. Um homem que me deu educação, brigou comigo nos momentos em que eu merecia na intenção de me tornar uma pessoa melhor, sempre esteve preocupado quando eu voltava tarde pra casa e fosse a hora que fosse, lá estava ele pronto pra me ajudar. Quando eu era apenas uma bebê chorona, chorona mesmo, ele deixava minha mãe descansar e me fazia dormir. E nem ficava chateado quando ao me colocar no berço e sair de mansinho, chegando próximo da porta ouvia meus gritos novamente. E olha que essa cena se repetia umas três ou quatro vezes até reinar o silêncio esperado. E ainda acordava cedo pra ir trabalhar! Toda a atenção que dedicou a mim, ele dedica agora ao meu filhinho.Pois é, esse é meu pai Odair Franzoso, uma pessoa digna de receber minha homenagem e o meu muito obrigado.
Sandra

De quem é a liberdade?

Interessante! Somos prisioneiros na nossa própria liberdade.Nós não roubamos, não matamos, não aliciamos criancinhas.Nosso crime? Atrasar o pagamento de uma conta, acordar de mal-humor, não estudar para aquela prova, chegar atrasado no trabalho e uma infinidade de outros delitos.Ah como somos perigosos!Por que será que vemos criminosos cumprindo um terço da pena ou respondendo por crimes hediondos em liberdade?E quando estão presos, mandam nas cadeias.Exemplos graves da incompetência do Estado não nos falta.Quem se esqueceu do caso Pimenta Neves? Quantos "Pimentas Neves" existem transitando livres por aí?Quantos homônimos perderam a liberdade durante anos devido a terríveis enganos?Não podemos nos esquecer que a rede de pedofilia é formada, inclusive, por médicos, políticos e policiais. Mas ai do pai de família que se atrever a pegar um litro de leite em algum mercado para sacear a fome de seus filhos.Nós? Bem, nós assistimos a tudo de mãos atadas, lamentando por isso, lamentando por aquilo e seguimos pagando nossos impostos.
Sandra Franzoso

terça-feira, 2 de junho de 2009

Acredite em seu potencial

Existem pessoas que não sentem segurança em se arriscar porque se preocupam com a opinião alheia ou porque elas têm medo de errar. Pois então eu lhe digo, se você der uma mancada qualquer, sempre vai ter alguém pra falar e apontar, porém, se você não cometer nenhuma falha... também. Não há jeito! Não há como escapar!
Somente quem tenta consegue obter resultados favoráveis, é errando que se aprende, nada desce flutuando do céu até cair nas mãozinhas ou no colo de alguém, isso implica levantar a bunda do sofá, parar de se lastimar e seguir em busca dos objetivos. Inove! Os resultados mais incríveis vieram das ideias, a princípio, mais absurdas. Elas foram trabalhadas pouco a pouco até tornarem-se um sucesso. Você precisa ter um diferencial, focar naquilo em que é bom, reflita sobre o que você faz de melhor e destaque-se. Há espaço pra todos, não abaixe sua cabeça, não se importe com a língua ferina de quem é incapaz de realizar, mas está sempre pronto a minimizar as conquistas de quem não tem medo de dar a cara pra bater. As críticas negativas nos acompanharão até o fim de nossos dias, então vamos transformá-las em aprendizado. Sempre que tiver ideias, considere-as, planeje o melhor caminho a transformá-las em realidade, não desista nas primeiras quedas, seja mais você e acredite em seu potencial.
Sandra

Amo você

Quando nossos lábios se unem

Num desejo constante

Esqueço o resto do mundo nesse instante

Nossas almas entram em sintonia

Num momento de pura magia

Seus braços me envolvem

As palavras somem

Nem é preciso nada dizer

Nesse clima de encanto

Sua presença me inspira tanto

E cada vez mais amo você
Sandra

O que esperar do amor?

Passear de mãos dadas numa linda praça?
Tomar sorvete ou comer algodão-doce juntinho?
Ou será que em vez do romantismo, esperar algo mais picante?
Sentir o chão se perder sob os pés?
O que esperar do amor?
De repente, idealizamos uma pessoa, criamos inúmeras expectativas e quando nos damos conta, percebemos que ela nunca existiu. Aí vem a frustração.
Tornar o fruto da nossa imaginação em realidade é uma missão quase impossível.
O segredo é não fantasiar, aguardar a pessoa chegar e viver os momentos ao lado dela.
Justamente quando menos imaginamos o amor acontece, surge quebrando regras, ultrapassando obstáculos e nos faz sucumbir.
Simplesmente deixe-o acontecer, não planeje , nem tente entender.
Sandra Franzoso

Sereias

Jorge era um pescador muito corajoso. Era um homem de boa aparência e um estilo único. Em suas pescarias só levava como companhia o gato Samuel (um vira-lata cego de um olho e bem mal humorado), Samuel ficava o tempo todo lambendo o pelo e espantando suas moscas.Quando Jorge içava a rede com peixes Samuel parava com o seu ritual e admirava a fartura. Jorge jogava sempre o menor peixe para o gato que se deliciava com a refeição. Jorge passava dias em alto mar.Um dia Jorge acordou e percebeu que seu barco estava em um lugar diferente. Havia pequenas ilhas em sua volta, algumas formadas por rochedos, outras por monte de terras e arvores. Nunca estivera em um lugar com aquele, era um Oásis em meio ao oceano, pensou.O barco se aproximou da ilha e ele pôde desembarcar com segurança, amarrou o barco em uma pedra bem firme para que o mesmo não desaparecesse, foi ai que percebeu que não estava sozinho. Sentada em uma pedra havia uma linda mulher, seus cabelos eram compridos e verdes como as algas, não usava nem uma folha de parreira para esconder suas vergonhas. Com um espelho enfeitado com conchas e um pente de marfim cravejado com perolas e esmeraldas a bela mulher penteava seus cabelos.Jorge aproximou-se cautelosamente da mulher para não assustá-la. Escondeu-se atrás da pedra em que a mulher estava sentada e continuou observando os seus movimentos.A forma com que a bela mulher penteava os cabelos era quase que hipnotizante, o pente deslizando sobre os fios brilhantes e lisos, a forma como ela olhava-se no espelho admirando suas formas, percebeu que a mulher era de uma sintonia perfeita. Os cabelos verdes combinavam com os olhos cor de mel e a pele rosada. Como uma mulher que estava um tempo tomando sol naquela pedra, podia ter aquela pele tão rosada e sem manchas ou sardas?Foi quando ouviu uma voz feminina atrás de si:- Olá belo rapaz. Apreciando minha irmã Julieta?- Hã? E desculpe senhora apenas a vi...Jorge ficou surpreso com a visão que estava tendo. Pensou estar sonhando, cinco lindas mulheres todas nuas. Seus cabelos eram coloridos como as algas do mar. Algumas tinham os cabelos lisos, outras cacheados.- Quem é você? – perguntou ele- Sou Serena, raínha das sereias da Ilha das Ostras.- Sereias? Eu não acredito... Então é verdade? Existem sereias?- Claro que sim? Estamos aqui há milhares de anos. Na realidade nossas antepassadas estão aqui a milhares de anos, somos jovens ainda. Nosso tempo de vida é 200 anos, não estamos nem na metade disso. – Serena falava com um sorrisinho nos lábios.Jorge começou a lembrar das lendas que ouvia quando era criança. Toda vez que um pecador saía para pescar sozinho ele desaparecia e todos colocavam a culpa nas sereias. Sua mãe dizia que o pai dela havia sumido certa noite, todos procuraram ele em alto mar e seu barco só foi achado semanas depois vazio. Estava intacto. Naquela noite ouviram um canto melancólico, era a voz de uma mulher. A voz de uma sereia.Ninguém nunca soube o porque do desaparecimento dos pescadores, diziam que as sereias seduziam os pescadores para procriarem e depois o levavam para alto mar para serem devorados por tubarões.Ao indagar Serena sobre esse assunto ela respondeu.- Nós não matamos ninguém meu jovem pescador. Eles não suportam a realidade e fogem morrendo afogados ou devorados pelos peixes maiores.- Que realidade é essa que o homem não pode suportar?Serena saiu sem responder nada. Seguida pelas irmãs, apenas Julieta continuava ali com seu ritual. Aquilo começou a incomodar Jorge de uma forma terrível.Samuel estava agora fora do barco, comia alguns peixes deixados pelas sereias na margem. Jorge percebeu que o barco estava sendo levado pela correnteza, correu, mas, já era tarde.A noite caiu. Julieta parou com seu ritual e caminhou até a margem da praia. Olhando as estrelas começou a cantar uma musica muita linda. Jorge ficou paralisado, apenas sentia vontade de deitar-se com aquela mulher e amá-la. Sentiu uma dor muito forte no peito. Correu até Julieta e a possuiu. Durante todo o acasalamento Julieta cantou.Logo em seguida as outras sereias começaram a cantar, Jorge acasalou-se com todas as seis sereias uma em seguida da outra sem descanso. Nenhuma parava de cantar, Jorge tentou fugir, mas não conseguiu. Morreu depois de ter deitado com as moças pela segunda vez.Serena olhou para o corpo de Jorge e ordenou que o levassem de volta ao mar.- Abandonem assim que a maré estiver em outro rumo. Se tiver sorte os restos chegarão na praia, senão, os mariscos ficarão felizes em devorá-lo.Duas das irmãs de Serena entraram no mar. Carregando o corpo, suas pernas se transformaram em caudas enormes cheias de escamas e nas costas duas fendas se abriram isolando os pulmões humanos.Serena olhou para Julieta e explicou:- Há milhares de anos uma mulher chamada Sereia se apaixonou por um peixe, ela era amante de Netuno, o rei das águas. Como castigo Netuno condenou-a a viver como metade peixe e metade mulher. Só que para procriar ela deveria sair das águas e encantar um homem.- Majestade por que não sentimos prazer? – perguntou Julieta- Fomos condenadas a nunca sentir prazer, nos acasalamos apenas para gerar novas sereias. Os homens enlouquecem com nossos cantos, mas, é a única forma deles conseguirem acasalar conosco.- Não entendo majestade?- Você é muito jovem ainda Julieta. Nossa irmã está querendo dizer que se ele estivesse em sã consciência teria percebido que no lugar de genitálias temos bolsas, como os peixes jogamos nossos óvulos no mar e depois temos que fazer o papel do macho jogando os espermas dos pescadores sobre os óvulos. – disse uma das moças que estavam ao lado de Serena - Então cobrimos nossos óvulos fecundados com algas e esperamos algumas semanas para que nasçam. Antigamente as pequenas sereias sobreviviam aos perigos do mar. Essa ilha chegou a ser habitada por milhares de nós. Hoje devemos agradecer se duas ou três sobreviverem.- Julieta você logo será a rainha da Ilha das Ostras. Meus dias estão chegando ao fim. Provavelmente essa será minha ultima cria. Como minha única filha viva, você deverá reinar e trabalhar para que nós nunca desapareçamos do mundo.- Farei o possível, majestade!- Agora devemos ir. Os espermas humanos vivem apenas 24 horas.- Majestade, o que aconteceria se gerássemos filhos de animais aquáticos?- Isso não é possível minha princesa. Todos temem a fúria de Netuno, aqueles que se atreveram a isso, foram extintos ou obrigados a viver bem no fundo do mar, onde nenhuma luz ou nenhuma máquina consegue chegar.- Quando algum deles atreve-se a subir para a luz, Netuno invoca toda a sua forças e cria uma onda gigantesca, os animais não resistem tanto poder e morrem, muitas vezes essas ondas chegam a praia e destroem aldeias de pescadores e chegam a matar os seres terrestres.As quatro sereias caminham até o mar e mergulham, como as outras duas, suas pernas transformam-se em caldas e em suas costas são abertas fendas protegendo os pulmões. Elas nadam até o mar dando inicio a um novo ciclo de vida.
Por Debby Lenon - 16/03/2006 - http://www.contosdadebby.blogspot.com/

Vida (por Flora Figueiredo)

Na dúvida, faça.
O risco faz parte.
A graça está em tentar em vez de sentar e assistir;
O mundo está em esticar-se todo para atingir;
Omundo está no desafio da interrogação.
E porque não? Entre na festa, arranque a capa, morda a maçã.
Desate o cinto para voar livre pelo amanhã ainda que ele seja um labirinto.
Deixe o ID rolar nessa arte viva de arriscar, cônscio e devoto.
Pois que viver não é entrar no mar onde dá pé, mas mergulhar com fé no maremoto.

Inovar é preciso

Ele se livrou da armação (texto para reflexão)
Conta uma lenda que na Idade Média, um religioso foi injustamente acusado de ter assassinado uma mulher. Na verdade, o autor do crime era uma pessoa influente do reino e, por isso, desde o primeiro momento se procurou um bode expiatório para acobertar o verdadeiro assassino.O homem foi levado a julgamento já temendo o resultado: a forca. Ele sabia que tudo iria ser feito para condená-lo e que teria poucas chances de sair vivo desta história.O juiz, que também estava combinado para levar o pobre homem à morte, simulou um julgamento justo, fazendo uma proposta ao acusado para que provasse sua inocência. Disse o juiz:- Sou de uma profunda religiosidade e por isso vou deixar sua sorte nas mãos do Senhor: vou escrever em um papel a palavra INOCENTE e em outro a palavra CULPADO. Você pegará um dos papéis e aquele que você escolher será o seu veredicto.
Sem que o acusado percebesse, o juiz preparou os dois papéis com a palavra CULPADO, fazendo assim, com que não houvesse alternativa para o homem. O juiz colocou os dois papéis em uma mesa e mandou o acusado escolher um. O homem, pressentindo a armação, fingiu se concentrar por alguns segundos a fim de fazer a escolha certa, aproximou-se confiante da mesa, pegou um dos papéis e rapidamente colocou-o na boca e engoliu. Os presentes reagiram surpresos e indignados com tal atitude. E o homem, mais uma vez demonstrando confiança, disse:- Agora basta olhar o papel que se encontra sobre a mesa e saberemos que engoli aquele em que estava escrito o contrário.
Autor desconhecido

A loucura e o amor, inseparáveis


A Loucura resolveu convidar os amigos para tomar um café em sua casa. Todos os convidados foram. Após o café, a Loucura propôs:
- Vamos brincar de esconde-esconde?- Esconde-esconde? O que é isso? - perguntou a Curiosidade. - Esconde- esconde é uma brincadeira. Eu conto até cem e vocês se escondem. Ao terminar de contar, eu vou procurar e o primeiro a ser encontrado será o próximo a contar.Todos aceitaram, menos o Medo e a Preguiça.-1,2,3,... - a Loucura começou a contar.A Pressa escondeu-se primeiro num lugar qualquer. A Timidez, tímida como sempre, escondeu- se na copa de uma árvore. A Alegria correu para o meio do jardim. Já a Tristeza começou a chorar, pois não encontrava um local apropriado para se esconder. A Inveja acompanhou o Triunfo e se escondeu perto dele debaixo de uma pedra. A Loucura continuava a contar e os seus amigos iam se escondendo. O Desespero ficou desesperado ao ver que a Loucura já estava no noventa e nove.- Cem - gritou a Loucura.- Vou começar a procurar.A primeira a aparecer foi a Curiosidade já que não agüentava mais querendo saber quem seria o próximo a contar. Ao olhar para o lado, a Loucura viu a Dúvida em cima de uma cerca sem saber em qual dos lados ficar para melhor se esconder. E assim foram aparecendo a Alegria, a Tristeza, a Timidez...Quando estavam todos reunidos, a Curiosidade perguntou:- Onde está o Amor? Ninguém o tinha visto.. A Loucura começou a procurá-lo. Procurou em cima da montanha, nos rios, debaixo das pedras e nada do Amor aparecer. Procurando por todos os lados, a Loucura viu uma roseira, pegou um pauzinho e começou a procurar entre os galhos, quando de repente ouviu um grito.Era o Amor, gritando por Ter furado o olho com um espinho. A Loucura não sabia o que fazer.Pediu desculpas, implorou pelo perdão do Amor e até prometeu segui- lo até o fim da vida.O Amor aceitou as desculpas..Hoje, o Amor é cego e a Loucura o acompanha sempre.
Fonte: Mensagens e Poesias.
http://mensagensepoemas.uol.com.br/fabulas/a-loucura-e-o-amor-2.html

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Decepção

Uma sensação estranha
Como se sob os pés, faltasse o chão
Inexplicável e dolorosa
É assim a decepção
Nem só os homens maus a causam
Pessoas de bem também
Nem por isso dói menos
Num dia tudo, noutro nada
Um dia com, outro sem
Dizem que o tempo cura todas as mágoas
Pode ser uma verdade
Independendente de qualquer coisa
Sempre fica uma saudade
A vida segue em frente, é preciso continuar
Por nada baixar a cabeça, por nada deixar de sonhar
As tardes não serão mais as mesmas, assim como as canções
Impossível seria explicar, ficam então as recordações
E junto de um vazio sem medida
Permanece uma consciência tranquila
Sandra

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Animais e seres humanos

Os animais são muito melhores que os seres humanos, sem terem racionalidade, eles conseguem se respeitar, brigam por sexo e comida e não por motivos fúteis enquanto os homens são capazes de atrocidades contra seu semelhante por tão pouco, grande incoerência! Alguns homens preferem maltratar os bichinhos. Que existem muitos casos de agressões aos animais não é novidade, existem diversos tipos de monstruosidades, mas quando ocorre debaixo dos nossos olhos é ainda mais chocante. Tenho uma vizinha que pegou um lindo cachorrinho, não entendo por qual razão as pessoas que não gostam de animais os tem, assim como não entendo porque muitas mães engravidam se não querem ter filhos, por que elas não dão as crianças para quem deseja cuidar em vez de jogarem em latas de lixo? A humanidade é desumana! Bem, retornando à minha vizinha, essa louca colocava o cachorrinho que ganhou dentro da casinha, depois posicionava a entrada encostada na parede e o coitadinho não podia sair, ele fazia as necessidades lá mesmo, não comia e não bebia água, tudo isso no quintal dos fundos sob o sol. Ela o soltava somente no final da tarde, dizia que ele bagunçava muito e rasgava roupa do varal. "E ela está certíssima, afinal, ele deveria saber que não pode ser arteiro, já que não obedece deve ficar de castigo. Onde já se viu um cachorrinho fazer uma barbaridade dessas com uma pessoa bondosa como essa pobre mulher? Ela dava amor e carinho e recebia em troca peraltices, uma falta de respeito". Eu ia retirá-lo de lá da casa, mas resolvi informar tal fato para a SUIPA - Sociedade União Internacional Protetora dos Animais que não atendeu depressa, mas resolveu o problema indiretamente, a burocracia é absurda, então assim que fiz um BEO, pois faz parte do procedimento, eu o mostrei para a indivídua e antes mesmo que a procurassem, ela levou o animal embora. Claro que a minha vizinha se considera uma pessoa incompreendida, a verdadeira vítima de tal situação e eu a considero um monte de lixo ambulante. E você que está lendo esse texto? Fica aí o questionamento: quem é o animal nessa situação?
Sandra

sábado, 2 de maio de 2009

Indignação

Quem não acompanhou a lamentável história do bebê espancado por uma garota de programa?
Esse é um exemplo a ser seguido, tiro meu chapéu pra moça, afinal, aquele bebê cruel não a deixava dormir, onde já se viu um bebê chorar? Em que época ele pensa que está? Representava um perigo muito grande, não posso nem imaginar essa moça meiga com os tímpanos estourados. Trata-se de uma ameaça à saúde de uma mulher agora incompreendida.
Quanta maldade da sociedade ao recriminá-la e, meu Deus, como foi injusto prendê-la! Em que mundo vivemos?
Se todo bebê perigoso como esse chorasse a ponto de atrapalhar o "soninho" de uma pobre criatura, esse mundo estaria perdido.
Esse caso é tão revoltante que não pude deixar de escrever a respeito, é minha forma de protesto.
Crimes hediondos ocorrem o tempo todo sob os olhos de uma sociedade incrédula e ávida por justiça.
Vivemos numa selva de pedras formada por animais "racionais", verdadeiras feras abomináveis.
Registro aqui minha indignação, desejando que essa criatura seja de fato condenada, sem direito a relaxamento de prisão e que sua estadia por lá cause em seu corpo e mente mais marcas do que aquelas deixadas no corpinho de uma indefesa e inocente criança.
Sandra

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Não tenho tempo pra envelhecer

Um texto de Arlete Sacramento
A única diferença entre o personagem lendário e eu é que não vendi a minha alma ao diabo, mas eu também não envelheci!
Sinceramente, se me perguntarem minha idade, eu não saberei dizê-la. Sou tão feliz por fazer tanta coisa que o tempo passa por mim sem que eu sinta.
É a brisa que bate em meu rosto e segue seu caminho.
É o infinito azul que me inspira e esqueço o ontém e o amanhã.
Não tenho tempo pra envelhecer.
Experimente, não fique aí parado lamentando-se esperando que a vida passe!
As rugas qual chibatadas vincarão seu rosto.
Vamos, sorria um pouco... goste de você mesmo... sonhe com o próprio sonho... ame com amor...
Erga os braços, realize aluma coisa.
Eu não tenho tempo pra envelhecer!Quando meu rosto disser que tenho cem anos, não acreditem porque minha alma é uma eterna juventude.
Eu não tenho tempo pra envelhecer!

Um dia inesquecível

Tem dia em que a melhor coisa a fazer é ficar em casa, mas como não sou milionária, preciso trabalhar. Quantas pessoas ouvimos dizer que quando saem com uma roupa qualquer, acabam encontrando alguém em quem estão de olho há tempos? E nesse dia, sempre estão usando a mesma blusinha da ultima vez em que ambos se viram. Isso é típico, sempre acontece tanto com homens quanto com mulheres e já aconteceu comigo também. Pois bem, dessa vez ocorreu outro fato, eu saí numa determinada manhã e me arrumei como das demais vezes, porém, usei um sapato confortável que gosto tanto, o problema é que o material usado nele tinha cheiro de chulé, então era preciso colocar os pés dentro e só tirar no momento em que voltasse pra casa sã e salva. Pensei com meus botões, só vou trabalhar e não preciso almoçar em nenhum restaurante japonês, ou seja, não vou precisar tirar os sapatos. Só que Murphy já dizia, se algo tiver que dar errado, dará! O sapato sozinho já tinha aquele aroma de chulé, mas como eu disse antes, era confortável e resolvi usar. Bem, no final da tarde encontrei aquele homem que fazia minha cabeça rodar e ele me convidou para tomar um café. Lógico que eu fui, que mal há em tomar um singelo café? Mas papo vai, papo vem, o clima começou a esquentar, rolou a maior química e pronto! Eu tive que recusar o convite ao motel, ele não conseguia entender, mas como eu poderia explicar que estava usando um “queijão” no pé? Alguém pode me explicar?E esse não era o único fator contra mim, eu precisava me depilar pra poder usar uma lingerie sexy. Ou deveria me apresentar de novo, só que de outra forma?- Prazer, sou Monga, a mulher gorila!O fato é que recusei a ida ao motel e fomos embora, cada um pra sua respectiva casa. De que adiantava estar toda socialzinha, perfumadinha, mas não depilada e com um sapato cujo material cheira a chulé por natureza? Depois desse dia fatídico, aguardei dias e mais dias por um novo convite e nada, quando eu até já estava esquecendo esse episódio, eis que toca o telefone, era ele e me convidou para sair, caprichei e o resultado não poderia ter sido melhor. Nosso namoro durou dois anos e eu pude confessar a razão do meu "não" naquele dia. Demos muitas gargalhadas. Hoje, somos amigos e eu o aconselho a compreender se outra mulher disser não, parecendo querer dizer sim.
Sandra

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Um dia estressante

Hoje acordei irritada com o celular despertando, nem havia um motivo real, apenas acordei assim. Tem dia que não é seu, no momento em que abri meus olhos suspeitei disso. Talvez o motivo seja ter ido dormir muito tarde ontém assistindo a um filme. Eu não conseguia acreditar que já havia amanhecido. Sabe quando seus olhos adquirem vida própria e não adianta seu cérebro estar no comando? Eles, simplesmente, não queriam abrir enquanto eu lamentava não poder acordar às duas horas da tarde, me perdi em pensamentos e acabei levantando mais atrasada ainda, corri para o chuveiro. O problema é que eu esqueci de levar toalha para o banheiro e só quando terminei o banho foi que me dei conta desse 'pequeno' detalhe. Bom, eu tinha duas opções, me secar naturalmente enquanto passava frio ou sair molhada e respingando água pela casa. Até que me secar naturalmente não seria um má ideia visto que eu poderia meditar um pouco, ainda assim, optei pela segunda alternativa, só não contava com uma queda na minha sala a caminho do quarto. E que queda viu! Bati a perna no sofá e caí sentada em cima do caminhãozinho do meu filho, como eu não estava usando nenhuma roupa pra me proteger, me machuquei e esbravejei, não vou revelar as palavras sutis que usei porque tenho uma imagem a zelar. Então, levantei ainda com dor e com raiva e fui me trocar.Na cozinha, já pronta, tomando meu café (nossa, parecia uma leoa que não comia há 200 dias, eu estava com muita fome), mas continuando, enquanto tomava meu café, sabendo que a Lei de Murph rege minha vida, lembrei de um fato importantíssimo e que, naquele momento, mudaria o meu dia de um modo incrível:Hoje é Sexta-Feira Santa, ou seja, feriado. Fiquei puta da vida. Ainda bem que não lembrei desse 'detalhe' no caminho. Já pensou? Ainda bem que meu garotinho acorda cedo sem crise.O problema é que se hoje é sexta-feira, então ontém foi quinta e se ontém foi quinta, não levei meu filho ao pediatra para a consulta de rotina que já estava marcada desde o mês retrasado. Sempre o levo de dois em dois meses.Que dia estressante! E olha que o dia não chegou nem na metade... Daí me destroquei e voltei pra cama.
Sandra

terça-feira, 7 de abril de 2009

Redução da maioridade penal

Esse assunto, sem dúvida, “dá pano pra manga”, gera debates explosivos e divide opiniões. Respeitando aqueles que se opõem à redução da maioridade penal, vamos lá:O que se alega é que menores de 18 anos não possuem desenvolvimento mental completo para compreender o caráter ilícito de seus atos, ou seja, uma “criança” de 17 anos, por exemplo, não pode responder pelo que faz como se fosse um adulto, afinal, o processo que ocorrerá em sua mente até que ela complete 18 anos é repleto de detalhes e fará dela uma pessoa direita. Não é isso? Apenas nesse intervalo de um ano, ela deixa de ser uma “criança” que não sabe o que faz para se tornar um “adulto” consciente dos próprios atos. Ora, não é porque as pessoas de um modo geral, já mostram sua boa índole desde pequenas que esses "inocentes vilões" devem ser punidos por leis severas, principalmente, tratando-se das "duras" leis brasileiras.Se um pai de família é assaltado por um moleque e acaba perdendo a vida, o infrator permanecerá apenas 3 anos recluso e tudo bem. Lógico, o pai de família que escolhesse outra rua pra passar! Quem mandou achar que era um cidadão livre com direitos de ir e vir? Só porque paga seus impostos?Certa vez, uma mãe ao entrar em sua casa ouviu os gritos do seu filhinho de apenas três anos, eram gritos desesperados de dor e medo, ela correu e avistou um adolescente de 15 anos estuprando o garotinho, tratava-se um vizinho. Mais tarde diante dos policiais e do delegado, o adolescente rindo olhou dentro dos olhos dessa mãe e disse: “sou menor, nada vai acontecer comigo!” O que deve fazer uma mãe numa hora dessas? Eu nem teria esperado pela polícia, teria cortado o pinto dele fora na mesma hora. Essa mãe mesmo revoltada esperou pelos policiais, mas após ouvir essa pérola, tirou uma faca do bolso e a enfiou no pescoço do adolescente que, obviamente, não sabia o que fazia. Pois bem, ele agonizou até morrer dentro da delegacia. Dou uma bala pra quem adivinhar o que aconteceu com a mãe do menino. O que poderia acontecer a uma mulher inconsequente e sem noção? Onde já se viu não compreender que aquele "adolescentezinho" não possuía discernimento pra saber o que é certo e errado. E observem que com apenas um aninho a mais, o mesmo já poderia até votar, exercendo assim seu direito de cidadão. Em suma, ela foi presa e seu filho precisará de tratamento psicológico sabe-se lá por quanto tempo.O mais estranho é que os menores infratores agem de modo violento e cruel na maioria das vezes, sabem que a lei os protege e se divertem, passam a fazer parte de organizações criminosas enquanto cidadãos de bens são assassinados ou espancados por eles que são "incapazes" de pensar.O que falta é pulso firme por parte das autoridades, ação governamental, mudança nas leis e punições aos malfeitores tenham eles a idade que tiver. Passou da hora de haver medidas de mudança dentro de presídios e centros de reabilitação inclusive para menores de 18 anos, além de uma oportunidade para que a população carcerária aprenda uma profissão e pague por sua estadia. Se as pessoas votassem com consciência, esse poderia ser o caminho.Chega de impunidade, chega de absurdos e chega de desejarmos justiça somente quando as vítimas são nossos parentes, amigos ou nós mesmos.
Sandra

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Mulheres Urbanas, Pensamentos e Ideais

A vida de uma mulher numa cidade grande e louca não é fácil, principalmente para aquelas que possuem filhos ou marido. Acordar cedo, se produzir, arrumar as crianças pra irem à escola, preparar o café da manhã e seguir pra batalha do dia a dia são tarefas rotineiras. Logo de início já se depara com o trânsito que é tão intenso, se mudar a rota é possível chegar antes numa cidade mais próxima do que no próprio trabalho. Imagine passar por isso durante a TPM, sem falar nos motoristas engraçadinhos, apressadinhos, barbeirinhos, dá vontade de estrangular as figuras, mas pra que se atrasar ainda mais? Haja paciência! Haja bom humor! E minha nossa, haja poluição! Chega-se no trabalho daquele jeito, não sei se todas as mulheres são assim, quanto a mim, só posso usar roupas escuras ou levar peças extras numa sacola porque ao chegar no fim do dia, se eu estiver usando branco, bege ou rosa fico encardida, pior que criança. Nessas horas, poder trabalhar cercada de árvores por todos os lados se torna um sonho de consumo.
As mulheres trabalham o dia inteiro, mas chegam em casa e preparam o jantar, dão banho em seus filhos, colocam ordem na casa e ainda não podem deixar de ser sensuais. É muita coisa. As unhas e cabelos precisam estar impecáveis, as mãos precisam perder o aroma de alho e o sorriso nos lábios faz toda uma diferença. A vida urbana trouxe a opção "comida congelada" que nem é saudável, mas é uma boa pedida. Pra mim é a salvação da lavoura porque além de chegar em casa só o bagaço, ainda sou uma cozinheira de mão cheia, isso mesmo, cheia de pequenos kamikazes, por onde passo na cozinha derrubo tudo.
Nós mulheres urbanas, em grande parte, adoramos praias e montanhas, admiramos aquelas que quando saem do trabalho conseguem olhar para o céu e se encantarem com as estrelas, possuem tempo pra admirarem o pôr do sol ou um lindo luar, ainda assim, nós não conseguimos ficar muito tempo longe dessa vida de loucura, longe dos shoppings e até do barulho de buzinas, tendo tudo ao nosso alcance em metrópoles que não dormem. A maioria das mulheres de cidades grandes como também os homens aguardam um feriado pra relaxarem, eles até conseguem, mas as mulheres em casa nunca relaxam, sempre há o que fazer. São verdadeiras guerreiras!
Os pensamentos estão constantemente voltados para o bem estar da família, a educação de seus filhos e também no lançamento daquele batonzinho ou perfume.
Os ideais se baseiam em melhorar a cada dia, conseguir conquistar sua fatia de mercado cada vez mais nessa selva de pedras, esperando que a violência diminua e lamentando tantos mendigos, tantos usuários de crack, tanta falta de respeito e de educação que existem pelas ruas. Embora lamentar não é o caminho, é preciso agir e orientar os filhos a seguirem caminhos menos tortuosos.
Enfim, mulheres urbanas são loucas, estressadas, mas são também fortes e felizes, repleta de sonhos, planos de ação, pensamentos e ideais.
Sandra

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Putz, engravidei

Acalmem-se, acalmem-se! Apenas vou contar como tudo começou.
Sabe quando você ouve pessoas dizerem o tempo todo que uma mulher só se realiza quando se torna mãe? E eu pensava com meus botões, como assim? Não gostava de criança, quer dizer, até gostava muito, muito mesmo, principalmente quando a visita acabava e ela ia embora com seus respectivos pais. Ué gente, não nasci pra ser mãe, acordar de madrugada com choro de bebê, trocar fralda e tudo mais não era pra mim, pra que mentir?
Na época, eu ainda estava casada (menos mal) e como meu marido já tinha um filho, então fiquei satisfeita, nem que ele insistisse em ter outro teria conversa, pois é, me casei com a pessoa certa. Não é que um belo dia, mesmo tomando remédio minha menstruação não veio? Claro que pensei em problemas hormonais. Porém, os dias foram passando e concluí que três semanas de problemas hormonais já era demais e decidi fazer um teste de farmácia só por desencargo de consciência. Comprei aquele que pode ser usado a qualquer hora do dia, quase enfartei quando o resultado deu positivo. Mesmo assim, se vocês pensam que me deixer abater, muito se enganam. Lógico que um teste que se pode fazer a qualquer hora do dia não tinha fundamento algum, comprei outro muito melhor, daqueles que precisam ser testados com a primeira urina do dia, nesse eu podia confiar. Como sou pouco ansiosa, não consegui dormir de noite aguardando o amanhecer, sem falar nas torradas, chocolates, pão doce, frutas, bolachas e uma série de outras guloseimas mais, as quais foram minhas companheiras noturnas nessa empreitada difícil de espera. Sim, porque contar com meu marido era impossível, ele dormia profundamente. Ufa! Finalmente olhei pela janela e concluí que amanheceu. Corri para o banheiro e fiz xixi. Esperei uns minutinhos e, de repente, positivo de novo! Nessa hora enlouqueci. Como que uma pessoa em sã consciência poderia acreditar em exames de farmácia? Que absurdo! Não perdi tempo e fui fazer exame de urina numa clínica, no dia seguinte saiu o resultado e, advinhem, foi positivo. Algo estava errado, eu tomava remédio. Então o médico me explicou que alguns medicamentos cortam o efeito de um anticoncepcional como, por exemplo, um antibiótico. Eu não dei atenção e naquele momento tive a certeza de que exames de urina não servem pra nada, eles seguem o mesmo procedimento dos exames de farmácia. Ou seja, quer saber se está grávida? Faça exame de sangue! E foi o que fiz, só que precisei esperar 2 dias, foram dois dias de muito chocolate, sorvete, bala e outras tranqueiras até que chegou o grande momento, cheguei bem mais cedo do que o horário agendado pra me consultar com o médico, levei um livro pra passar as horas, mas não consegui me concentrar, andei de um lado pro outro e, finalmente, meu nome foi chamado. Ao entrar no consultório já fui logo dizendo ao doutor pra não perder tempo e abrir o envelope, ele sorriu, abriu, olhou bem dentro dos meus olhos e disse: "parabéns, mamãe"! Quase que eu respondi, "esse sangue não é meu, trocaram o resultado, quero refazer o exame", mas não adiantava, eu havia engravidado e isso era um fato.
Chorei dois dias e duas noites, mas comecei meu pré-natal. Acreditem, me levaram pra fazer um exame chamado cardiotoco, o qual serve pra ouvir o coraçãozinho do bebê, quando comecei a escutar aquelas batidas senti meu corpo tremer, quase me faltou o ar, eu não conseguia conter as lágrimas, parecia uma manteiga derretida, quase inundei o hospital. Senti uma sensação que é inexplicável, impossível traduzir em palavras, só quem sente sabe. E a partir daquele momento, quando senti aquela vida dentro de mim, nada mais me importava, só o fato de saber que eu teria um filho, já o amava loucamente de um modo que nunca tinha sentido igual, eu já era mãe. Foi a coisa mais maravilhosa que aconteceu na minha vida.
Hoje posso dizer com toda convicção que meu filho é minha melhor obra, é minha vida, meu grande amor.
Sandra